VERMINOSES – Parte 6

•21/08/2014 • Comentários desativados

  

Amebíase: (Entamoeba histolytica- protozoário que causa a amebíase)

Infecção causada por um protozoário que se apresenta em duas formas: cisto e trofozoíto. Esse parasito pode atuar como comensal ou provocar invasão de tecidos, originando, assim, as formas intestinal e extra-intestinal da doença.

Sintomas

O quadro clínico varia de uma diarreia aguda e fulminante, de caráter sanguinolento ou mucoide, acompanhada de febre e calafrios, até uma forma branda, caracterizada por desconforto abdominal leve ou moderado, com sangue ou muco nas dejeções. Pode ou não ocorrer períodos de remissão. Em casos graves, as formas trofozoíticas se disseminam através da corrente sanguínea, provocando abcesso no fígado (com maior frequência), nos pulmões ou no cérebro. Quando não diagnosticadas a tempo, podem levar o paciente ao óbito.

Infecção

A transmissão se faz pela ingestão de água ou alimentos contaminados com cistos da E.histolytica (parasita do intestino grosso). Em outras ocasiões apresenta-se sob a forma da chamada disenteria amebiana aguda, com acometimento do estado geral, febre, às vezes desidratação e fezes mucosanguinolentas.

A amebíase pode apresentar localização extra intestinal, como: hepática, pleural, pulmonar, pericárdica, cerebral, esplênica e cutânea. As formas extra-intestinais são extremamente raras na infância.

Características epidemiológicas

Estima-se que mais de 10% da população mundial está infectada por E. histolytica, que é patogênica, sendo a ocorrência estimada em 50 milhões de casos invasivos/ano. Em países em desenvolvimento, a prevalência da infecção é alta, sendo que 90% dos infectados podem eliminar o parasito durante 12 meses. Infecções são transmitidas por cistos através da via fecal-oral. Os cistos, no interior do hospedeiro humano, se transformam em trofozoítos. A transmissão é mantida pela eliminação de cistos no ambiente, que podem contaminar a água e alimentos. Sua ocorrência está associada com condições inadequadas de saneamento básico.

Medidas de Controle

  1. A) Gerais

Impedir a contaminação fecal da água e alimentos através de medidas de saneamento básico e do controle dos indivíduos que manipulam alimentos.

  1. B) Específicas

Lavar as mãos após uso do sanitário, lavagem cuidadosa dos vegetais com água potável e deixá-los em imersão em ácido acético ou vinagre, durante 15 minutos para eliminar os cistos. Evitar práticas sexuais que favoreçam o contato fecal-oral. Investigação dos contatos e da fonte de infecção, ou seja, exame coproscópico dos membros do grupo familiar e de outros contatos. O diagnóstico de um caso em quartéis, creches, orfanatos e outras instituições indica a realização de inquérito coproscópico para tratamento dos portadores de cistos. Fiscalização dos prestadores de serviços na área de alimentos, pela vigilância sanitária.

  1. C) Isolamento

Em pacientes internados precauções do tipo entérico devem ser adotadas. Pessoas infectadas devem ser afastadas de atividades de manipulação dos alimentos.

  1. D) Desinfecção

Concorrente, com eliminação sanitária das fezes.

Para ser consumida, a água precisa estar limpa, sem bactérias e protozoários, pois ela pode nos transmitir muitas doenças. No Brasil 80% do esgoto é jogado nos rios, lagos e outros lugares de onde a água poderia ser usada para consumo, fazendo com que a pouca água que resta seja poluída. Este recurso está cada vez mais escasso, além do desperdício humano, a água que foi usada muitas vezes não tem como ser reaproveitada, pois está poluída demais ou acaba de perdendo no meio das águas dos oceanos.

VERMINOSES – Parte 5

•19/08/2014 • Comentários desativados

Giardíase

Definição

Infecção por protozoários que atinge, principalmente, a porção superior do intestino delgado.

É causada pela Giárdia lamblia, o único protozoário flagelado conhecido como responsável por doença intestinal humana.

Sintomas

A infecção sintomática pode apresentar-se através de diarreia, acompanhada de dor abdominal. Esse quadro pode ser de natureza crônica, caracterizado por dejeções amolecidas, com aspecto gorduroso, acompanhadas de fadiga, anorexia, flatulência e distensão abdominal. Anorexia, associada com má absorção, pode ocasionar perda de peso e anemia. Não há invasão intestinal.

Infecção

A doença tem distribuição mundial e ocorre frequentemente nas pessoas que consomem água não tratada e alimentos lavados ou preparados com água contaminada. Os cistos infecciosos do protozoário são normalmente transmitidos por água contaminada com fezes e atinge, principalmente, a porção superior do intestino delgado.

É doença de distribuição universal. Epidemias podem ocorrer, principalmente, em instituições fechadas que atendam crianças, sendo os grupos etários mais acometidos menores de 5 anos e adultos entre 25 e 39 anos.

A prevenção da doença está baseada na boa higiene pessoal e na eliminação dos cistos da água de abastecimento. A cloração pode destruir os cistos, mas não é sempre confiável porque vários fatores podem diminuir a sua eficiência. Por essa razão a água de abastecimento deve também ser tratada para a remoção de matéria em suspensão (filtração).

Medidas de controle

  1. A) Específicas

Em creches ou orfanatos deverão ser construídas adequadas instalações sanitárias e enfatizada a necessidade de medidas de higiene pessoal. Educação sanitária, em particular desenvolvimento de hábitos de higiene – lavar as mãos após o uso do banheiro;

  1. B) Gerais

Filtração de água potável. Saneamento básico;

  1. C) Isolamento:

Pessoas com giardíase devem ser afastadas do cuidado de crianças. Com pacientes internados, devem ser adotadas precauções entéricas através de medidas de desinfecção concorrente para material contaminado e controle de cura, que é feito com exame parasitológico de fezes até 21 dias após o término do tratamento.

VERMINOSES – Parte 4

•14/08/2014 • Comentários desativados

Ancilostomíase ( amarelão)

Definição

É causada por vermes (Ancylostoma, nematelminte) que atacam o intestino delgado, quando adultos, causando inúmeras feridas, que através destas o indivíduo parasitado perde sangue, tornando-o anêmico.

O veículo de transmissão do agente infeccioso é o próprio verme que está na terra e penetra na pele das pessoas quando há contato direto. O habitat natural do verme é água doce/salgada e o solo.

A reprodução se dá no intestino do indivíduo parasitado. O verme adulto põe ovos e estes saem com as fezes, e por falta de saneamento, se espalham pela terra.

Essa doença é atuante, pois o maior meio de infecção é pelo fato de pisar descalço na terra, onde foi depositada as fezes de um indivíduo parasitado.

Sintomas

Fraqueza, palidez, tontura, febre alta e cólicas intestinais

Infecção

Como o meio de transmissão dessa doença é através das fezes, sendo deixada em local desapropriado, a melhor maneira que se tem de combatê-la é saneando adequadamente sobretudo a periferia de cidades grandes e o campo e sempre andar calçado e usar luvas para manipular a terra.

Tricuríase

Definição

É um parasita do aparelho digestivo.

Sintomas

As manifestações clínicas podem variar desde casos assintomáticos até casos graves com diarreia crônica, disenteria, anemia.

Infecção

A infecção se dá pela ingestão de água e alimentos contaminados com ovos do parasita.

As verminoses podem ser evitadas: Lavando bem as mãos sempre que usar o banheiro e antes das refeições; Manter limpa a casa e o terreno ao redor, evitando presença de moscas e outros insetos; beber somente água filtrada ou fervida; conservar as mãos sempre limpas, as unhas aparadas, e evitar colocar as mãos na boca; Não deixar as crianças brincarem em terrenos baldios com lixo ou água poluída; andar sempre com os pés calçados.

VERMINOSES – Parte 3

•12/08/2014 • Comentários desativados

Ascaridíase

Definição

É uma infecção produzida pelo Ascaris lumbricoides, vulgarmente denominado lombriga. As fêmeas são maiores que os machos. O verme possui uma coloração amarelada ou rósea, e seu corpo é revestido por uma cutícula dura e elástica. A fêmea põe aproximadamente 200 mil ovos por dia. Dentro do hospedeiro, o número de Ascaris lumbricoides presentes no intestino delgado pode variar de quatro a seiscentos exemplares. Como as crianças se expõem com maior facilidade, mantendo maior contato com o solo, onde evacuam comumente e desrespeitando as normas de higiene, constituem o grupo mais acometido por esta parasitose. Calcula-se que 14% da população mundial está contaminado com a parasitose. Os maiores índices de parasitismo no Brasil são observados nos estados de Alagoas, Sergipe e litoral de São Paulo.

Sintomas

Quando as larvas migram para os pulmões, o indivíduo infectado apresenta tosse, febre de pequena intensidade e insuficiência respiratória. Já no intestino o verme causa dores abdominais em cólica, diarreia, náuseas e vômito, anorexia, palidez e perda de peso. Isso ocorre porque os vermes adultos localizados no intestino consomem as proteínas ingeridas pelo hospedeiro, o que pode causar desnutrição.

Infecção

Se dá através da ingestão dos ovos infectantes do parasita, procedentes do solo, água ou alimentos contaminados com ovo embrionado ou fezes humanas. O período de transmissibilidade dura o tempo em que o indivíduo portar o verme e estiver eliminando ovos pelas fezes.

No interior do intestino delgado(duodeno) ocorre eclosão do ovo com liberação de uma larva. Essa larva passa para a corrente sanguínea, para o fígado, coração e pulmão. No interior dos pulmões as larvas  perfuram os alvéolos pulmonares sofrendo mudas, se tornando resistentes e maiores, provocando irritação. Dos pulmões as larvas passam para o intestino delgado, irritam o sistema respiratório e digestivo, transformando-se em vermes adultos. No interior do intestino delgado ocorre reprodução sexuada com liberação de milhares de ovos que serão eliminados através das fezes.

Para prevenir a parasitose, todas as infecções devem ser tratadas, a higiene pessoal deve ser reforçada e deve-se providenciar recursos sanitários adequados. É fundamental lavar as mãos antes das refeições e lavar bem os alimentos antes de consumi-los.

Os exames clínico e parasitológico de fezes são conclusivos a respeito do diagnóstico e o tratamento requer, além do medicamento específico, cuidados especiais com a alimentação, que deve ser mais rica e de fácil absorção porque a mucosa intestinal está lesada e com dificuldade de absorver os nutrientes.

Como os ovos desse parasita são muito resistentes aos desinfetantes usuais, e como a casa funciona como foco de ovos, as medidas de prevenção dessa doença são:

A educação em saúde;

A construção de fossas sépticas nas casas sem rede de esgoto;

O tratamento periódico em massa da população afetada, após fazer exame de fezes, por 2 anos consecutivos;

A proteção dos alimentos contra a poeira e insetos;

A limpeza cuidadosa e até a fervura dos alimentos, antes de consumi-los.

VERMINOSES – Parte 2

•07/08/2014 • Comentários desativados

Tipos de Verminose

Ascaridíase (Ascaris lumbricoides)

Em infecções leves, manifesta-se assintomaticamente; caso haja infecção profusa pode ocorrer anorexia, irritabilidade, abdome aumentado, febre, cólica intestinal; casos mais graves podem levar à obstrução intestinal, apendicite, perfuração do intestino com peritonite, pneumonite, icterícia obstrutiva.

Estrongiloidíase (Stronggiloides stercoralis)

Em infecções leves, manifesta-se assintomaticamente; nos casos mais graves seus sinais e sintomas são respiratórios e também dor e distensão abdominais, náuseas, vômitos, diarreia.

Giardíase (Giardia lamblia)

Pode ser assintomática, mas geralmente manifestam sintomas em qualquer estágio, tais como: diarreia, vomito, anorexia, retardo no crescimento, cólicas abdominais, etc.

Ancilostomíase (Necator americanus)

Em indivíduos bem nutridos evolui sem problemas, mais intensamente manifesta-se por anemia, desnutrição, prurido e queimação.

Oxiuríase (Enterobius vermicularis)

A principal manifestação é o prurido perianal intenso, podendo ocorrer dermatite e escoriações perianais secundarias ao prurido; caso os parasitas migrem há possibilidade de infecção vaginal e uretral.

Tricuríase ( Trichuris trichiura)

As infecções leves apresentam caráter assintomático e infecções graves apresentam dor, distensão abdominal e diarreia.

Simples hábitos como lavar bem os alimentos antes de consumi-los, lavar bem as mãos após utilizar o sanitário, trocar as roupas de cama com frequência, não andar descalço, manter as unhas curtas e limpas, devem ser adquiridos pela família para permitir que principalmente as crianças fiquem livres desses parasitas que tanto prejudicam sua saúde. Higiene é fundamental.

Amebíase: (Entamoeba histolytica- protozoário que causa a amebíase)

Infecção causada por um protozoário que se apresenta em duas formas: cisto e trofozoíto. Esse parasito pode atuar como comensal ou provocar invasão de tecidos, originando, assim, as formas intestinal e extra-intestinal da doença.

O quadro clínico varia de uma diarreia aguda e fulminante, de caráter sanguinolento ou mucoide, acompanhada de febre e calafrios, até uma forma branda, caracterizada por desconforto abdominal leve ou moderado, com sangue ou muco nas dejeções. Pode ou não ocorrer períodos de remissão. Em casos graves, as formas trofozoíticas se disseminam através da corrente sanguínea, provocando abcesso no fígado (com maior frequência), nos pulmões ou no cérebro. Quando não diagnosticadas a tempo, podem levar o paciente ao óbito.

Teniase: (Taenia Solium e Taenia Saginata)

Ao ingerir a carne de porco crua contaminada o homem contamina-se com cisticercos, os quais, ao atingirem seu intestino, transformam-se em vermes adultos e todo o ciclo recomeça. Portanto, as tênias são adquiridas pela ingestão de carne crua suína, infectada com o cisticerco. A cisticercose humana, por sua vez, é adquirida pela ingestão de ovos de Taenia solium, geralmente através da autoinfecção por mãos sujas.

Xistose: Esquistossomose

Os sintomas dependem de vários fatores, como o tipo e a quantidade de parasitas adquiridos, a idade, o estado nutricional e a capacidade de defesa da pessoa. Antes da postura de ovos, o doente pode sentir apenas mal-estar, com ou sem febre, tosse e dores nos músculos. Iniciada a fase aguda, mais ou menos 2 meses após a infecção, a disseminação dos ovos, principalmente no intestino e fígado, provoca uma reação e o paciente apresenta mal-estar, emagrecimento, alergias, tosse, diarreia, fígado e baço aumentados.

Verminoses Parte 1

•05/08/2014 • Comentários desativados

 

Introdução

As parasitoses intestinais são doenças causadas por vermes e protozoários. Representam um problema de saúde pública, apresentando alta prevalência na população pobre e em crianças devido às precárias condições de saneamento básico, habitação e educação.

A contaminação se faz de várias formas, sendo a principal a ingestão de alimentos ou água contaminada, podendo também ser por pequenos ferimentos na pele. Raramente as crianças se infestam antes dos primeiros 6 meses de vida, período em que têm pouco contato com solo ou alimentos potencialmente contaminados. A partir desta idade, a incidência de parasitoses se eleva, para cair novamente mais tarde, quando as crianças aprendem a andar e adquirem noções de higiene.

Para entendermos melhor o que são as verminoses, é bom que comecemos por explicar que todas elas têm uma característica comum: um parasita (o verme causador de cada doença) que vive às custas de um hospedeiro (no caso, o homem) e lhe prejudica a saúde.

Principais Sintomas

De modo geral, as pessoas contaminadas apresentam-se com quadro de dor abdominal, cólicas, náuseas, vômitos, diarreias, perda de peso, anemia, febre e sintomas respiratórios. Pode ocorrer prejuízo do desenvolvimento estatural da criança, assim como obstrução intestinal e do trato biliar por migração dos parasitas, como no caso da ascaridíase.

Algumas parasitoses apresentam características próprias, como caso da oxiuríase, que apresenta intenso prurido retal noturno. Outras parasitoses mostram-se assintomáticas, não sendo necessário tratamento medicamentoso. De qualquer forma, cabe ao médico o diagnóstico para a instituição do melhor tratamento.

Diagnóstico

A apresentação dos sintomas e os exames de fezes normalmente dão a identificação do parasita. Exames de sangue podem ser necessários se houver acometimento sistêmico.

Tratamento

Mais importante que tratar é ensinar como evitar nova contaminação.

Medicamentos antiparasitários específicos deverão ser utilizados após a identificação do agente causador.

Por isso devemos lavar as mãos antes das refeições, antes de manipular e preparar alimentos, antes do cuidado de crianças e após ir ao banheiro ou trocar fraldas

Andar sempre com os pés calçados

Cozinhar bem os alimentos. Carnes somente bem passadas

Lavar com água potável os alimentos que serão consumidos crus e se possível deixe-os de molho por 30 minutos em água com hipoclorito de sódio a 2,5%

Beber somente água filtrada ou fervida

Manter limpa a casa e terreno ao redor, evitando a presença de insetos e ratos

Conservar as mãos sempre limpas, as unhas aparadas, evitar colocar a mão na boca

Não deixar as crianças brincarem em terrenos baldios, com lixo ou água poluída.

Do ponto de vista da comunidade, a prevenção se faz através de:

Educação para a saúde

Proibição do uso de fezes humanas para adubo

Saneamento básico a toda população

Condições de moradia compatíveis com uma vida saudável

As verminoses mais frequentes são: ascaridíase (lombrigas), teníase (solitária), oxiuríase, tricuríase e ancilostomíase (amarelão). Outras, menos frequentes, também são importantes, principalmente devido ao quadro clínico de alto risco para o paciente, tais como: amebiase, strongiloidiase. giardíase e esquistossomose.

Verminose NÃO É SOMENTE UM PROBLEMA QUE AFETA CRIANÇAS DE BAIXA RENDA, mas acomete todo nosso Brasil. Para mudarmos este quadro há que conscientizarmos e mudarmos nossas condutas de higiene, além de exigirmos medidas sanitárias mais sérias tanto no saneamento básico, mas também treinamento e controle sanitário de restaurantes, bares, lanchonetes, agricultura, escolas, produtores de água mineral, filtros de água e tudo que se relacione à veiculação de água e alimentos.

A prevenção corresponde a melhor forma de proteger a saúde contra as verminoses.

A maioria dos parasitas intestinais é transmitida aos seres humanos através da ingestão de ovos ou cistos presentes em alimentos contaminados ou água, ou por contaminação das mãos com fezes ou solo contaminado por resíduos fecais. Dessa forma, mais que utilizar ferramentas diagnósticas e terapêuticas, deve-se buscar continuamente a melhoria das condições sanitárias, de higiene e da qualidade de água das populações afetadas.

Chia, a semente que emagrece e reduz gordura – Parte Final

•31/07/2014 • Comentários desativados

Quantidade recomendada de chia

Parte inferior do formulário

Os especialistas dizem que não há uma quantidade diária estabelecida para o consumo da chia. No entanto, estudos conduzidos em humanos que obtiveram resultados positivos utilizaram 25 g da semente, aproximadamente duas colheres de sopa, uma vez ao dia. Cabe salientar que alguns usaram mais. Mas como ela é calórica, o mais recomendado é manter os 25 g diários. 

Como consumir a chia

Ela pode ser consumida crua, triturada ou em forma de gel ou na forma de óleo. A semente mantém suas propriedades em todas estas formas de consumo. Veja como usá-la: 

Em forma de gel: deixe uma colher de sopa da semente de molho em 60 ml de água durante aproximadamente 30 minutos. O ideal é consumir o gel assim que ele estiver formado, não sendo recomendado guardar a mistura para comer depois. Depois que a goma é formada, você pode consumi-la na forma pura sem acompanhamentos (ainda que seja pouco comum) ou usá-la no preparo de mingau, sopas, batida em sucos ou em receitas de bolo e até adicionando à molhos de massas, por exemplo. 

Substitua os ovos das receitas: o gel formado pela chia pode ser um ótimo substituto do ovo em receitas. Misturando uma colher de sopa da farinha de chia com 60 ml de água, você obtém uma quantidade de gel suficiente para substituir um ovo em qualquer preparação.

Semente seca: em vez de produzir o gel, você pode fazer diferente e adicionar a semente a líquidos como sucos, iogurtes e vitaminas. Uma sugestão é comer a porção no lanche entre as refeições, pois um pote de iogurte desnatado (160 ml) com uma colher de sopa de chia contém apenas 70 calorias. 

Óleo da chia: ele pode ser usado para temperar saladas ou para regar a refeição quando já estiver no prato. O aquecimento do óleo de chia não é recomendado, pois o ômega 3 é facilmente oxidado com o calor, perdendo assim suas propriedades. 

Na forma de farinha: a farinha pode ser misturada a frutas, sopas, mingaus e sucos de forma mais prática. Esta versão também pode substituir a farinha de trigo no preparo de receitas de pães e bolos. Outra boa pedida é comprar o grão, liquidificar, acondicionar a farinha em um pote e armazenar em geladeira para depois consumir junto da salada.

Chia sozinha ou com outros grãos? Normalmente as pessoas misturam grãos fontes de nutrientes diferentes, para atingir um benefício específico, nem sempre promovido por todos os grãos do mix. Com benefícios à saúde próximos ao da chia, temos a linhaça, o gergelim e o girassol. Mas não é recomendado consumir uma porção de cada uma deles por dia, devido à alta quantidade de calorias que essas sementes possuem. Sendo assim, uma solução pode ser fazer um mix destes grãos e consumir até 25g do mix ao dia.

Compare a chia com outros alimentos

Saiba mais

  • Em relação à gordura, ela só perde da linhaça que contém 32,3 g em 100 g de alimento enquanto a chia tem em sua composição 30,74 g em 100 g. Mas vale lembrar que grande parte dessa gordura é proveniente de ômega-3 e omêga-6, benéficos para saúde e que equilibram as taxas de colesterol.
  • Se compararmos, porém os ácidos graxos dos peixes de águas profundas, como o salmão, e dos vegetais, existem diferenças. O ômega-3 de origem animal contém mais componentes EPA (ácido eicosapentaenoico) e DHA (ácido docosahexaenóico) do que os de origem vegetal, que não produzidos por nosso organismo e trazem mais benefícios à saúde cardiovascular.
  • A chia contém 631 mg de cálcio em 100 g. Mas vale lembrar que apesar de 100 gramas da semente terem mais cálcio do que um copo de leite integral (234 mg), é contraindicado consumir toda essa quantidade do grão, e o mineral do leite é mais facilmente absorvido pelo nosso organismo. Uma porção diária de chia (ou seja, 25 g) tem 158 gramas de cálcio, perdendo para o leite. E seria preciso mastigar muito bem o grão para dispor de todo o mineral que ele contém. Isso torna a semente uma boa opção para quem não pode consumir lactose e precisa de cálcio.
  • A semente também contém 112 mg de potássio e 84 mg de magnésio em 25 g enquanto o farelo de trigo (obtido como sobra do processo de refino do trigo, que dá origem à farinha de trigo) não apresenta nenhum dos dois micronutrientes. O magnésio é um mineral que não faz falta em pessoas que consomem as cinco porções recomendadas de vegetais, pois é abundante nesses alimentos. Porém, como a maior parte dos brasileiros não consome os 400 gramas de vegetais e frutas diários indicados pelo Ministério da Saúde (cerca de 90% de acordo com a Pesquisa de Orçamentos Familiares do IBGE), ela é uma boa alternativa para não perder o mineral.
  • A chia é considerada uma boa fonte de ferro, pois além de ter o mineral em alta quantidade, ele é mais fácil de ser absorvido na semente do que em alguns vegetais, pois eles acabam presos em uma substância chamada fitato. 25 g de chia contêm 1,93 g de ferro, 65 g de espinafre (o que equivale à quantidade recomendada de folhas verdes escuras para um dia) têm 1,77 g do mineral.

Contraindicações

Não há contraindicação ao consumo da chia, porém suplementos devem ser utilizados somente com prescrição médica ou nutricional.

Riscos

A chia é um carboidrato, apesar de conter fibras, em excesso, pode levar ao aumento de peso, constipação intestinal (principalmente se o indivíduo não tomar quantidade suficiente de água) e pode levar a desconfortos gástricos uma vez que retarda a saída dos alimentos do estômago.

O consumo excessivo de fibras pode interferir negativamente na absorção de minerais como cálcio e zinco.

 
Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.