Água mineral – Parte Final

•24/07/2014 • Comentários desativados

Água de coco e seus benefícios. Hidrate-se!

A água-de-coco é hidratante por ser rica em sais minerais, e é o único isotônico natural disponível comercialmente. A presença do sódio e do potássio (fortificante muscular) em sua composição possibilita a recuperação dos minerais perdidos através da urina e do suor, tornando-se ideal para recompor a perda de energia depois das atividades físicas. E, como repositora eletrolítica (de sódio e de potássio) de origem natural, não oferece riscos para asmáticos e alérgicos a conservantes, sempre presentes nas bebidas artificiais. Outra faceta, é a sua semelhança ao soro fisiológico, tornando-se eficiente na recuperação dos casos de desidratação.

Propriedades terapêuticas e estéticas, a água de coco tem muitas. Funciona como calmante natural, controla a pressão arterial e reduz o nível de colesterol, além de ajudar no tratamento de úlceras, prisão de ventre, diarreia e cãibras e a combater enjoos e vômitos na gravidez. Sem contar que a água-de-coco verde é indicada por médicos e nutricionistas para eliminar os efeitos do excesso de álcool no organismo. Emoliente natural, faz bem à pele, deixando-a mais hidratada e macia.

Fonte natural de potássio, é boa para hipertensos, pois os medicamentos diuréticos – utilizados no tratamento da hipertensão – geram uma perda muito grande de potássio pela urina. Também pode ser consumida por diabéticos pois não contém sacarose, apenas frutose e dextrose como carboidratos. Entretanto, em ambos os casos não convém abusar porque a água-de-coco contém sódio e outras substâncias que podem acirrar essas doenças.

Ela auxilia ainda no equilíbrio sanguíneo, pois diminui os batimentos cardíacos e controla o sódio e a quantidade de água do corpo. Pela sua composição mineral, traz benefícios para os nervos, cérebro e pulmões. Na medicina popular é usada, em muitas regiões brasileiras, como vermífugo para crianças, preparado com coco ralado batido, água e uma pitada de sal, para se tomar em jejum.

Sua versatilidade é realmente impressionante. Além do consumo humano, a água de coco tem inúmeras utilidades. Na medicina, o produto pode ser usado como conservante de órgãos a serem transplantados e como membrana para queimaduras; na veterinária, como diluente em processos de inseminação artificial; na agroindústria, como conservante de vacinas para as aves. Seus efeitos curativos devem-se, principalmente, ao magnésio.

O valor nutritivo do coco varia de acordo com o estágio de maturação, apresentando em geral quantidades significativas de sais minerais como potássio, sódio, fósforo e cloro. A polpa do coco é rica em fibras, o que auxilia no bom funcionamento intestinal, mas, à medida que a polpa amadurece, enriquece o seu teor de gorduras.

Propriedades

O coco-da-baía é rico em proteínas, gorduras, calorias, sais, hidratos de carbono e vitaminas A, B1, B2, B5 e C. Seus efeitos curativos se devem, principalmente, ao seu conteúdo de magnésio. O ser humano necessita dele para conservação da tensão muscular. Sabe-se que a polpa do coco age como adstringente nas hemorroidas.

A água de coco verde é deliciosa, refrescante, nutritiva e terapêutica, além de exótica. Sua composição físico-química é semelhante à do soro fisiológico. São muitos os benefícios da água do coco.

.hidrata e amacia a pele 
.reduz o nível de colesterol 
.combate a verminose infantil
.previne e auxilia no tratamento da artrite 
.controla a pressão arterial 
.combate a desidratação 
.repõe imediatamente a energia 
.evita vômitos e náuseas durante a gravidez 
.depura o sangue 
.é calmante natural 
.reduz a febre 
.trata de úlcera estomacal 
.combate a prisão de ventre 
.previne o enjoo causado pela maresia 

Água mineral – Parte 4

•22/07/2014 • Comentários desativados

  

Tipos de água

Na natureza, encontramos diversos tipos de água, que variam de acordo com os elementos que a compõe. Algumas são ideais para o consumo, enquanto outras são prejudiciais à saúde.

Água potável: é a água que pode ser ingerida pelo homem. Para ser potável a água precisa apresentar as seguintes características: incolor (perfeitamente transparente), não ter cheiro (inodora), conter alguns sais minerais naturais (atualmente costuma-se, acrescentar à água sais de flúor o que impede o desenvolvimento das cáries dentarias), e ser estéril, isto é, isenta de micróbios causadores de doenças. Este tipo de água é apresentada no mercado em garrafões dos mais diversos tamanhos e marcas. Pode ser retirada de qualquer fonte aprovada – água encanada do município, riachos, rios, reservatórios ou cisternas. Em seguida é filtrada e desinfetada, e o conteúdo mineral pode ser ajustado.

Água Mineral: contém no mínimo 500mg de minerais por litro. Os produtos vendidos como “água natural” não sofrem nenhuma modificação no conteúdo de minerais, enquanto outros produtos podem vir da fábrica com ajustes.

Água com Gás: recebe artificialmente o acréscimo de dióxido de carbono para ficar borbulhante, podendo ser ou não enriquecida de sais minerais. Existem fontes naturais de águas gaseificada, mas parte do gás se perde no processo de envasamento. A única forma de beber água naturalmente gaseificada é direto da fonte.

Rica em oxigênio: sem gás e sem sabor tem alta concentração de oxigênio.

Aromatizada: muito utilizada no preparo de drinks. É aromatizada artificialmente, podendo ou não ser gaseificada.

Club Soda: água encanada, filtrada, gaseificada e enriquecida com bicarbonatos, citratos, fosfatos e outros tipos de sais minerais.

Água purificada: é aquela que foi deionizada para remover seus minerais naturais.

Água destilada: é purificada por evaporação, o que remove seus minerais. Os vapores são em seguida recondensados para sua forma líquida – água.

Água salgada: é a água que contém muitos sais dissolvidos, como a água do mar.

Água-mole: água da chuva que pode, em alguns casos, substituir a água destilada, por ser mais pura e isenta de sais minerais em relação a água das fontes ou dos rios.

Água de fonte: águas subterrâneas que ao aflorarem na superfície, contém substâncias minerais e gasosas dissolvidas. Conforme o principal mineral dissolvido, a água de fonte pode ser alcalina, sulfurosa, dentre outras, decorrendo daí suas propriedades medicinais. Existem diversos tipos de águas minerais. As principais são:

Salobra: levemente salgada e não forma espuma com o sabão.

Acídula: contém gás carbônico. É chamada também água gasosa. Tem um sabor ácido e é usada para facilitar a digestão e normaliza o pH da pele.

- Bicarbonatada sódica: usada no tratamento de gastrite, úlcera, hepatite e diabetes

- Cálcica: indicada para consolidação de fraturas, reumatismo e colite. Ameniza os sintomas de eczemas, dermatoses e bronquites. Tem ação diurética

Magnesiana: nesse tipo de água predominam os sais de magnésio. É usada para ajudar o funcionamento do estômago e do intestino, função laxante e desintoxicaste. Quando ingerida em excesso pode provocar diarreia. Trata enterocolite crônica, insuficiência hepática e fermentação intestinal.

Alcalina: possui bicarbonato de sódio, combate a acidez do estômago e auxilia na digestão e em banho, hidrata a pele.

Carbônica possui dióxido de carbono, o qual atua na superfície da pele, provocando vasodilatação. É indicada na hipertensão arterial leve ou moderada.

- Carbogasosa: Por suas propriedades digestivas, é indicada para acompanhar refeições. Rica em sais minerais, funciona como isotônico. Combate a hipertensão arterial, cálculos renais e biliares.

Oligomineral: possui vários elementos em sua composição como sódio, cloro, alumínio, magnésio, manganês e lítio. Existem estudos mostrando a quantidade destas substâncias presentes na água que provoca um efeito prejudicial ao organismo.

Radioativa: possui radônio, gás nobre que estimula o metabolismo e age no sistema digestório e respiratório Sua inalação é indicada para o tratamento de asma. Pode ser ingerida, já que o radônio permanece ativo por pouco tempo no organismo. O que elimina o risco de contaminação; nesse caso, atua como diurética.  Ajuda a dissolver cálculos renais e biliares. Atua como relaxante leve. Auxilia a eliminação de ácido úrico e a filtragem de gordura no sangue. Diminui a pressão sanguínea. É estimulante sexual.

Sódica: deve ser ingerida em quantidades pequenas, pois o sódio, quando ingerido em grandes quantidades, provoca inchaço. O banho pode auxiliar em problemas reumáticos.

Sulfurosa contém substâncias à base de enxofre é indicada para problemas articulares, laringites, bronquites e sinusites, e acredita-se no seu poder cicatrizante, desintoxicante e estimulante do metabolismo. Pode ser inalada, ingerida ou utilizada em banhos de imersão.

Ferruginosa possui ferro e ajuda no combate à anemia, parasitoses, alergias e acne. Também abre o apetite.

Água termal ou termomineral: água mineral que apresenta temperatura superior à temperatura do meio-ambiente. Possui ação medicinal devido às substancias minerais e gasosas nela dissolvidas. Esse tipo de água é usado para tratar certos problemas de pele.

Água poluída: é a que recebeu substâncias que a deixou turva, ou que alteraram sua cor, odor ou sabor, tornando-a desagradável. Água que sofreu alteração em suas características físicas e químicas.

Água contaminada: é a que contém substâncias tóxicas ou micróbios capazes de produzir doenças. A contaminação pode ser invisível aos nossos olhos ou imperceptível ao paladar.

O consumo de água engarrafada está crescendo firmemente no mundo nos últimos 30 anos. É o mais dinâmico setor de toda a indústria de alimento e bebidas; o consumo, no mundo, cresce numa média de 12% cada ano, apesar do alto preço comparado com a água de torneira.

Água mineral – Parte 3

•17/07/2014 • Comentários desativados

  

 Água na natureza

Embora possa parecer que a Terra seja um grande “reservatório” de água, a maior parte dela não está disponível para consumo humano: os oceanos constituem cerca de 97,5% da água do globo terrestre; 1,9% estão localizadas nas calotas polares e geleiras; 0,6% é encontrada na forma de água subterrânea, em lagos, rios e também na atmosfera, como vapor d’água, e apenas 0,6% da água do planeta pode ser usada para consumo humano.

Como levar esse 0,6% de água até a população?

No Brasil, o Ministério da Saúde estabelece os procedimentos e responsabilidades que asseguram o controle da qualidade e distribuição da água para consumo humano. No entanto, milhares de cidadãos ainda não têm acesso à água de qualidade, uma vez que, aproximadamente, 45% dos municípios brasileiros não possuem saneamento básico.

A falta de infraestrutura no tratamento e distribuição da água é responsável por 65% das internações hospitalares no Brasil devido às doenças transmitidas pela água. A cada ano, mais de 5 milhões de pessoas morrem no mundo por ingerirem água de má qualidade ou contaminada.

Água Mineral: 100% natural

A água mineral é obtida diretamente de fontes naturais sem alteração de sua qualidade, características naturais e de pureza. Nenhum elemento é adicionado ou retirado. Todas as etapas de produção, que vão desde a captação até chegar ao consumidor final, obedecem a rigorosos padrões nacionais e internacionais de higiene. 

Os sais minerais presentes nas águas minerais podem oferecer efetiva contribuição à nutrição e à saúde do organismo. Flúor (prevenção de cáries), Sódio (músculos e nervos), Magnésio (previne hipertensão), Cromo (regula taxas de açúcar no sangue), Cobre (absorve ferro na forma de hemoglobina), Manganês (sistema reprodutivo), Zinco (sistema imunológico), Cálcio (osteoporose), Bicarbonatos (nível de acidez no estômago) e Sulfato (digestão).

Disponível ao consumidor em diversos tipos de embalagens, são as versões de 10 e 20 litros que mais estão presentes nos lares brasileiros, o equivalente a 65% da produção de água mineral no País.
A água mineral, uma vez que possa ser mais acessível à população brasileira, é a única alternativa no curto e médio prazos para diminuir as doenças causadas pela falta de saneamento básico no Brasil e, consequentemente, os custos gastos com a saúde no atendimento e tratamento dos brasileiros.

Diferentes Tipos de Água e Suas Propriedades

Composta por duas partes de hidrogênio e uma de oxigênio (H2O), a água se destaca como a substância mais abundante no corpo humano, chegando a consistir entre 50 e 65% do peso de um adulto razoavelmente magro.

A quantidade de água existente no corpo humano mantém-se constante durante longos períodos da vida sendo fundamental para a homeostasia. Esse equilíbrio exige a disponibilidade de água e nutrientes adequados na alimentação diária com a participação de vários órgãos como rins, pulmões, coração, pele e anexos, hormônios e sistema nervoso central e autônomo.

Um corpo adulto contém em média 45 litros de água, dos quais, 30 circulam dentro das células. Aproximadamente 3 litros circulam como plasma sanguíneo, transportando proteínas e outros nutrientes com capacidade de penetrar nas paredes capilares. Os demais 12 litros integram o líquido intersticial, que envolve as células e produz a linfa e várias outras secreções.Com exceção do tecido ósseo, no qual a água é mantida encapsulada, existe um intercâmbio permanente de líquidos intracelulares e extracelulares através das membranas das células.

Funções vitais

A água desempenha um papel essencial em quase todas as funções do corpo humano. É utilizada para a digestão, absorção e transporte de nutrientes; permite que ocorra uma série de processos químicos; assume o papel de solvente para resíduos do corpo e também os dilui para reduzir sua toxicidade, ajudando no processo de excreção do corpo. Além disso, mantém a temperatura do corpo estável, e proporciona uma camada protetora para as células do corpo.

É necessária ainda na formação de todos os tecidos do corpo, fornecendo base para o sangue e todas suas secreções líquidas (lágrimas, saliva, sucos gástricos, líquido sinovial, dentre outros), que lubrificam os diversos órgãos e juntas.

Água Mineral Parte 2

•15/07/2014 • Comentários desativados

  

Água Mineral: uma fonte de benefícios para a saúde

Desde criança se aprende que o consumo de água é vital para o corpo humano. Líquido precioso, a água cumpre um papel importante no organismo. Além de regular muitas funções, como a temperatura corporal e o bom funcionamento do sistema circulatório, a água também contribui para o transporte de nutrientes e é essencial em todos os processos fisiológicos e bioquímicos do nosso corpo.
Com a busca crescente por bem-estar e qualidade de vida, a chamada onda saudável, o consumidor brasileiro está cada vez mais consciente de que, dentro da categoria água, a mineral natural é especialmente benéfica para a saúde. O aumento do consumo do produto atesta essa tendência. Segundo dados da Abinam, o mercado apresenta patamares de crescimento próximos a 20% ao ano. O Brasil é hoje 8º maior produtor mundial de água mineral envasada, com 7% de participação no mercado global.

“A indústria de água mineral é uma das que mais cresce no Brasil, porque as pessoas querem um produto natural”, explica Carlos Alberto Lancia, presidente da Abinam. Segundo ele, o crescimento do setor está relacionado a hábitos mais saudáveis dos brasileiros, que têm buscado reduzir a presença de a presença de bebidas açucaradas e com adoçantes nas refeições.

Cardápio diversificado

Por definição as águas minerais são aquelas provenientes de fontes naturais ou de fontes artificialmente captadas que possuam composição química ou propriedades físicas ou físico-químicas diferentes das águas comuns, com características que lhes confiram uma ação medicamentosa.
Como são classificadas de acordo com a composição química, origem da fonte, temperatura e gases presentes, o que dá a cada tipo propriedades específicas, o consumidor tem à sua disposição um amplo cardápio de opções. 

O problema é que muitos consumidores ainda não desenvolveram o hábito de consultar o rótulo para saber qual tipo de água estão comprando e sua composição, cuja especificação é obrigatória nas embalagens e, assim, tornar a escolha consciente para beneficiar-se dos seus poderes medicinais, de acordo com a sua necessidade e preferência. 

Além de ser, de modo geral, um poderoso suplemento nutricional, há água mineral com as mais diversas propriedades terapêuticas. As fluoretadas, por exemplo, são indicadas para a saúde dos dentes e ossos. O seu consumo é recomendado pela Organização Mundial da Saúde para prevenir doenças da boca. As brometadas são sedativas e tranquilizantes, ajudam a combater a insônia e o nervosismo. A sulfatada atua como antinflamatório e antitóxico.

A importância da água no organismo humano

Entre 50 e 70% do corpo humano é composto de água. Por isso a água é essencial à vida e ao bom funcionamento de todo o organismo.

A água é imprescindível para manter diversas funções vitais e órgãos do nosso corpo:
• Os rins chegam a ter 83% de água, enquanto o coração, os pulmões e o sangue ficam com algo em torno de 80%;

• É importante para a digestão e transporte dos nutrientes para as células;

• Atua como lubrificante nos olhos e entre os ossos;

• Tem fundamental participação na atividade cerebral e no funcionamento do sistema nervoso;

• Equilibra a temperatura do corpo.

No entanto, estamos permanentemente eliminando água do organismo. Somente com a respiração são 0,3 litros por dia. Quando a temperatura ambiente é alta ou quando fazemos exercícios físicos, a perda é de 0,8 litros por hora. Mais 1,5 litro se perde com a urina, a evacuação e a salivação. Pode parecer pouco, mas começa a ser perigoso quando esse volume se aproxima de 1% do peso corporal, quando é ativado o processo de desidratação, já que a função vital de muitos órgãos dependem da quantidade equilibrada de água.

Repor líquido constantemente é uma necessidade tão importante quanto respirar. E a quantidade recomendada para todas as pessoas gira em torno de 2 litros de água diários. 
A não reposição adequada de água resulta em moderada ou aguda desidratação. Nesses casos surgem alguns sintomas como dor de cabeça, dificuldade de concentração, dor nas costas, hipertensão entre outros. Uma pessoa pode passar até dois meses sem ingerir alimento sólido, mas não passaria mais de 48 horas sem consumir líquido sob pena de sérios riscos à saúde e à vida.

Água Mineral Parte 1

•10/07/2014 • Comentários desativados

  

Água mineral é aquela proveniente de fontes naturais ou de fontes artificialmente captadas que possua composição química ou propriedades físicas ou físico-químicas distintas das águas comuns, com características que lhe confira uma ação medicamentosa (Decreto-Lei Nº 7.841, de 08/08/1945). Sais, compostos de enxofre e gases estão entre as substâncias que podem estar dissolvidas na água. Não deve ser confundida com a água de mesa, que é uma água de composição normal, proveniente de fontes naturais ou de fontes artificialmente captadas, que preenche tão-somente as condições de potabilidade para a região. Algumas águas minerais são originárias de regiões com alguma atividade vulcânica.

Os diversos tipos de águas minerais são classificados segundo a composição química, origem da fonte, temperatura e gases presentes. Estes aspectos determinam a forma de uso: consumo como bebida, apenas para banhos e se são terapêuticas ou não.

As águas minerais subterrâneas retornam à superfície através de fontes naturais ou são extraídas através de poços perfurados.

Os exames físicosquímicos e bateriológicos determinam se a água mineral é mais indicada para consumo humano ou banhos.

Termais romanos.

Tradicionalmente as águas minerais foram usadas ou consumidas diretamente na fonte. Frequentemente centros turísticos cresceram ou crescem em cima ou em torno de locais que contenham águas minerais, mesmo em épocas antigas como ocorreu no Império Romano (famosos banhos públicos dos romanos).

Modernamente, a água mineral para consumo é distribuída em vasilhames, podendo ser consumida longe das fontes termais. Porém, para banhos terapêuticos ou apenas lazer, as regiões hidrominerais denominadas “estâncias hidrotermais” ou “estâncias hidrominerais” apresentam alguma infra-estrutura com hotéis, spas e outras comodidades para os usuários.

Legislação no Brasil

As garrafas de água mineral feitas de vidro devem ser transparentes, de paredes internas lisas, fundo plano e ângulos internos arredondados, com fecho inviolável, resistente a choques e aprovadas pelo DNPM. O rótulo, também padronizado, deve conter: nome da fonte; natureza da água; localidade; data e número da concessão; nome do concessionário; constantes físico-químicas, composição analítica e classificação, segundo o DNPM; volume do conteúdo; carimbo com ano e mês do engarrafamento.

As águas minerais carbogasosas naturais devem conter, no rótulo, em local visível, a informação “água mineral carbogasosa natural”. Se o gás foi acrescentado, o rótulo deve ter a inscrição “Água mineral gaseificada artificialmente”. Nenhuma informação sobre as propriedades terapêuticas das fontes pode constar dos rótulos, a menos que seja autorizada pela Comissão Permanente de Crenologia.

As águas minerais importadas só podem ser postas à venda após cumprimento, no que lhes for aplicável, a juízo do DNPM, das disposições sobre comércio das águas minerais nacionais estabelecidas no Código de Águas.

É proibido o uso endovenoso de água mineral enquanto não ficar provado, em cada caso, ser isso inofensivo para o paciente, a juízo da Comissão Permanente de Crenologia.

No Brasil, a produção e comercialização de águas minerais são regulamentadas e fiscalizadas pelo Departamento Nacional de Produção Mineral (DNPM). A partir de março de 2007, passou a vigorar no Brasil a RDC nº 173/06, que regulamenta o assunto.

As características de composição e propriedades para classificação como água mineral bem como sua exploração são regulamentadas pelo Decreto-Lei Nº 7.841, de 8 de agosto de 1945 Código de Águas Minerais.

Tipos de água mineral e suas propriedades

Cada água mineral tem suas propriedades medicinais, de acordo com os sais que nela predominam. As classificações normalmente são divulgadas em suas fontes, e também nos rótulos de suas embalagens, quando engarrafadas:

Ácida: normaliza o pH da pele
Alcalina: diminui a acidez estomacal. Em banho, hidrata a pele
Bicarbonatada sódica: usada no tratamento de gastrite, úlcera, hepatite e diabetes
Cálcica: indicada para consolidação de fraturas, reumatismo e colite. Ameniza os sintomas de dermatoses e bronquites. Tem ação diurética
Carbogasosa: Por suas propriedades digestivas, é indicada para acompanhar refeições. Rica em sais minerais, funciona como isotônico. Combate a hipertensão arterial, cálculos renais e biliares.
Carbônica: hidrante e moderadora de apetite
Ferruginosa: É indicada para tratamento de anemias, parasitoses, alergias e acne. Também abre o apetite
Magnesiana: controla problemas do intestino e do fígado. Trata enterocolite crônica, insuficiência hepática e fermentação intestinal
Radioativa: diurética, facilita a digestão e ajuda a dissolver cálculos renais e biliares. Atua como relaxante leve. Auxilia a eliminação de ácido úrico e a filtragem de gordura no sangue. Diminui a pressão sanguínea. É estimulante sexual
Sulfatada: é antiinflamatória e antitóxica
Sulfatada sódica: é eficaz contra a prisão de ventre, colite e problemas hepáticos
Sulfurosa: trata reumatismo, artrites, doenças de pele e inflamações

Vitaminas e Minerais Parte Final

•08/07/2014 • Comentários desativados

 

 

 

 

 

 

Fósforo

FONTES: Carnes, ovos, cereais, leite.

FUNÇÕES: Importante constituinte dos ossos e dentes, componente do DNA e RNA, e essencial para a transferência de energia no interior das células. Encontrado principalmente em leite e laticínios, carnes e cereais.

FALTA: Maior probabilidade de ocorrência de fraturas; músculos atrofiados; alterações nervosas; raquitismo. Diminuição da atividade muscular, inclusive a do coração.

EXCESSO: Interfere na absorção do cálcio, aumenta a porosidade dos ossos.

Potássio

FONTES: Banana, melão, batata, ervilha, tomate, frutas cítricas, carnes, leite, verduras, feijão.

FUNÇÕES: Importante íon encontrado no interior das células, age com o sódio no equilíbrio de líquidos do organismo e influencia a contração muscular e atividade dos nervos.

FALTA: Diminuição da atividade muscular, inclusive a do coração.

EXCESSO: Não existem efeitos registrados.

Enxofre

FONTES: Carnes, peixes, ovos, feijão, repolho, brócolis, cebola, alho, germe de trigo

FUNÇÕES: Participa da estrutura de muitas proteínas e é essencial para manter a atividade metabólica normal.

FALTA: Não existe recomendação diária para ingestão de enxofre, mas sabe se que o enxofre é muito envolvido com a produção de colágeno e o colágeno não pode ser feito sem enxofre. O enxofre é também muito importante para proteger o seu corpo de toxinas prejudiciais e metais pesados ​​encontrados em no meio ambiente.

EXCESSO:  Numerosos estudos, mas não todos, sugerem que os gases de enxofre no meio ambiente quando inalados promovem ao aumento de doenças respiratórias e alérgicas, incluindo asma.

Sódio

FONTES: Sal de cozinha, algas marinhas, azeite, alimentos processados.

FUNÇÕES: É um eletrólito importante para a transmissão nervosa, contração muscular e equilíbrio de fluidos no organismo.

FALTA: Hiponatremia (É um transtorno de eletrólitos, transtorno dos sais presentes no sangue no qual a concentração de sódio no plasma sanguíneo é menor do que o normal)

EXCESSO: Hipertensão

Cobre

FONTES: Fígado, trigo integral, ervilhas, amendoim, nozes, carnes, feijão, ovos.

FUNÇÕES: Participa da produção de hemoglobina, na formação da melanina (pigmento que dá cor à pele), e compõe muitas enzimas da respiração celular.

FALTA: Dificulta a absorção de ferro pelo organismo.

EXCESSO: Distúrbio Gastrointestinal, e danificar o fígado.

Cromo

FONTES: Carnes, cereais integrais, levedo de cerveja.

FUNÇÕES: Importante para o metabolismo energético. Pode ser encontrado em carnes, cereais integrais e levedo de cerveja.

FALTA: Causa raquitismos em crianças; osteomalácia (amolecimento dos ossos) em adultos; deformações na coluna e Osteoporose. 

EXCESSO: Causa falência renal crônica.

Cloro

FONTES: Sal de cozinha

FUNÇÕES: Encontrado no líquido extracelular, age com o sódio e ajuda no equilíbrio dos líquidos do corpo e na manutenção do pH. É um dos componentes do ácido clorídrico do estômago.

FALTA: É difícil haver carência de cloro, pois existe em quase todos os vegetais; o excesso de cloro destrói a vitamina E, reduz a produção de iodo, vômitos, diarreia, sudorese

EXCESSO: Os mesmos problemas causados pelo excesso de sódio: Causa a pressão alta, com risco de ataque cardíaco. Pode aumentar a quantidade de cálcio excretada pela urina. A pressão arterial elevada pode causar vários danos ao corpo, um sintoma é o dano renal progressiva. Isso acontece por causa da batida contínua do coração e pressão arterial mais elevada faz com que o sangue para bater os túbulos renais com muita força.

Cobalto

FONTES: Está contido na vitamina B12 e no tomate.

FUNÇÕES: Constituinte da vitamina B12 participa da produção de hemácias. Esse mineral pode ser encontrado em carnes e laticínios.

FALTA: A deficiência de vitamina B12 é também uma deficiência de cobalto, e vice-versa. A ingestão adequada de alimentos ou suplementos ricos em vitamina B12 podem ajudar a aliviar os sintomas de deficiência. 

EXCESSO: Embora seja essencial ter uma quantidade suficiente de ingestão de cobalto, pode ser uma desvantagem quando o mineral é tomado em níveis excessivamente elevados. Tendo em elevada quantidade, o cobalto pode diminuir a fertilidade nos homens e afetar o coração. Quando tomado em um longo período de tempo, o cobalto pode causar sobre-produção de células vermelhas do sangue, e danificar os músculos do coração, bem como a glândula tireoide.

Fluor

FONTES: Água fluorada.

FUNÇÕES: Esse mineral compõe os ossos e dentes.

FALTA: A necessidade de flúor é muito pequena; ele é recomendado apenas para gestantes e para crianças durante a formação da segunda dentição.

EXCESSO: Interfere na formação do esmalte dos dentes e Fluorose do esqueleto.

Manganês

FONTES: Cereais, vegetais verdes, gema de ovo, frutas.

FUNÇÕES: Ajuda na regulação de diversas reações químicas.

FALTA: Não determinada.

EXCESSO: Causa neurotoxicidade.

VITAMINAS E MINERAIS – Parte 3

•03/07/2014 • Comentários desativados

MINERAIS

O que são minerais

Os minerais possuem um papel bastante importante em nosso organismo. Atuam como componentes importantes na formação e manutenção dos ossos do corpo humano (principalmente os fosfatos de cálcio); através de sua ação que as reações enzimáticas são reguladas; participam da composição de algumas moléculas orgânicas; agem na manutenção do equilíbrio osmótico. Como o corpo não é capaz de produzir minerais, eles devem ser ingeridos através de uma alimentação que forneça quantidades adequadas destas substâncias. Caso haja excesso, este será eliminado através das fezes e da urina.

Cálcio

FONTES: Leite, queijo, iogurte, legumes verdes, cereais integrais, grãos, nozes ,amendoim, castanha, milho, soja, tofu , repolho chinês, couve, brócolis.

FUNÇÕES: Formação de ossos e dentes, indispensável na dieta de recém-nascidos, crianças e gestante. Previne a osteoporose. Trabalha em equilíbrio com o fósforo. Atua na coagulação sanguínea, na contração muscular e no funcionamento dos nervos.

FALTA: Deformações ósseas; enfraquecimento dos dentes, osteoporose, fraturas.

EXCESSO: Cálculo renal, insuficiência renal.

Magnésio

FONTES: Verduras de folhas verdes escura (agrião, espinafre), grãos ásperos, nozes, carne, gomas, leite, frutas cítricas, leguminosas, gema de ovo, salsinha, cebola, tomate, mel, soja, gérmen de trigo, aveia.

FUNÇÕES: Formação dos tecidos, ossos e dentes; ajuda a metabolizar os carboidratos; controla a excitabilidade neuromuscular. Constituinte de muitas coenzimas e essencial para o funcionamento normal dos nervos e músculos.

FALTA: Aumento das TPM (tensão pré menstrual), fraqueza, hipertensão.

EXCESSO: Não são comuns efeitos adversos, mas pode causar diarreia

Iodo

FONTES: Sal iodado, produtos marinhos, e algumas folhas como por exemplo a alface!

FUNÇÕES: É indispensável ao bom funcionamento da tireoide. Componente dos hormônios da tiroide; e previne papo e cretinismo (doença relacionada a tireoide).

FALTA: Celulites, bócio.

EXCESSO: Aumenta a concentração do TSH (hormônio estimulante da tiroide).

Ferro

FONTES: Fígado, rim, coração, gema de ovo, aspargo, leguminosas, cereais integrais, verduras, nozes, frutas secas, vegetais, azeitonas, carne bovina.

FUNÇÕES: Anti-anêmico, importante para o organismo porque é um dos componentes da hemoglobina, mioglobina e enzimas respiratórias, sendo de fundamental importância para a respiração celular.

FALTA: Anemia, cansaço,

EXCESSO: É tóxico em grandes quantidades; provoca distúrbios gastrintestinais.

Selênio

FONTES: Miúdos bovinos (fígado, rim, etc), frutos do mar, cereais integrais, germe de trigo, e algumas plantas (dependendo de conteúdo de selênio da terra), tomate, milho.

FUNÇÕES: Antioxidante pois combate os radicais livres; protege o coração; regula ação do hormônio da tireoide. Quando associado à vitamina, previne anemia e esterilidade.

FALTA: É rara, mas pode contribuir para doenças cardíacas, disfunção da tireoide e depressão do sistema imune.

EXCESSO: É o mineral mais tóxico dos presentes na dieta. A ingestão de doses altas promove a perda de cabelo, unhas e dentes.

Zinco

FONTES: Carnes vermelhas, fígado, peixe, ostra, sardinha, ovo, leguminosas, nozes, aveia, trigo integral, ervilhas, amendoim.

FUNÇÕES: Componente de múltiplas enzimas e proteínas; participa no metabolismo das proteínas e carboidratos; atua no controle cerebral dos músculos; ajuda na respiração dos tecidos; Combate a acne, ajuda na cicatrização de feridas, estimula as defesas imunitárias.

FALTA: Diminui a produção de hormônios masculinos, favorece o diabete, perda de paladar e olfato.

EXCESSO: Reduz a absorção e quantidade de cobre no organismo.

 
Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.