Dicas para você começar a doar sangue – Parte 1

•28/07/2015 • Deixe um comentário

 Featured image

   1.  Quem doa sangue tem direito ao dia de folga no trabalho, e você pode fazer isso a cada três ou quatro meses. A folga é só para descansar, OK? Nada de sair para a balada

  1. A maior parte dos bancos de sangue oferece um lanchinho depois da coleta. Só não vá pensando em encher a pança
  1. Uma doação pode salvar até três vidas. Isso coloca você automaticamente no ranking dos super-heróis
  1. Um dia, alguém próximo de você pode precisar de uma transfusão
  1. Você não vai ficar fraco nem sofrer por falta de sangue. Em pouco tempo seu organismo recupera o volume doado
  1. Doar sangue ajuda a equilibrar a quantidade de ferro no corpo dos homens. Ferro em excesso faz mal
  1. Doar sangue faz muito bem para a consciência
  1. Doações regulares ajudam a manter os estoques dos bancos de sangue preparados para situações de emergência, como acidentes e catástrofes
  1. Doar sangue pode ajudar no combate ao estresse
  1. Doar sangue estimula o corpo a produzir células novas
  1. Uma doação pode queimar até 650 calorias. Isso não vai fazer você emagrecer, mas pode economizar meia hora de academia

12. Alguns bancos de sangue têm wi-fi na recepção para você ficar lendo listas instrutivas como esta enquanto espera    sua vez

O pinhão e seis benefícios à saúde

•23/07/2015 • Deixe um comentário

Featured image

Por mais que seja tradicional em época de festas juninas, o pinhão vai muito além de ser somente um prato típico das comemorações caipiras. Por proporcionar diversos benefícios a nossa saúde, já passou da hora de essa semente da araucária — árvore tradicional do Paraná — ser incluída na dieta dos brasileiros! Pronto para nunca mais encarar o pinhão apenas como um ingrediente a mais dos quitutes das festas juninas?

Ajuda no funcionamento do intestino

Como a semente do pinhão é uma ótima fonte de fibras, consequentemente se torna uma aliada e tanto ao bom funcionamento do intestino. E só isso já é motivo suficiente para você incluir o pinhão em sua dieta hoje mesmo! Mas ainda tem muito mais!

Ajuda na saúde dos olhos

O pinhão é um alimento que possui luteína, um antioxidante fundamental para prevenir diversas doenças do olho — como a catarata e a degeneração macular, por exemplo. O pinhão ainda contém vitamina A, mais um elemento importantíssimo para a saúde dos olhos.

Ajuda na perda de peso

Embora seja um alimento rico em gorduras, o consumo regular de pinhão pode ajudar na perda daqueles quilinhos a mais que tanto te incomodam. O grande responsável por esse efeito é o ácido pinoleico, que atua na liberação de dois hormônios supressores da fome. Que tal unir o útil ao agradável?

Ajuda a retardar o envelhecimento

Os antioxidantes presentes no pinhão têm o poder de retardar o processo de envelhecimento, já que auxiliam na eliminação dos radicais livres do nosso organismo. O resultado? Uma pele mais bonita e cheia de vida, além de diminuir também o risco do surgimento de diversos outros males diretamente ligados aos radicais livres!

Ajuda também o coração

Você sabia que os pinhões ajudam a ter um coração mais saudável? Afinal de contas, o alimento é uma excelente fonte de gorduras monoinsaturadas, que são associadas a taxas reduzidas de colesterol e uma menor incidência de ataques do coração. Além disso, o alimento também é rico nas vitaminas K e E, além de manganês, cobre e ferro.

Ajuda a saciar a fome.

O ovo Parte Final

•21/07/2015 • Deixe um comentário

Featured image

Composição nutritiva média

Composição nutritiva
Energia 160 cal/100 gramas
Proteína
Gordura (Ovo completo) 0,1%
Gordura (gema) 31,9%
Ácidos graxos saturados 3,3%
Ácidos graxos monoinsaturados 4,9%
Ácidos graxos saturados 1,8%
Biotina 20% CDR
Riboflavina 40% CDR

Os ovos são considerados habitualmente como alimento saudável, completos e de boa digestão, além de alto valor nutritivo. A sua capacidade energética está em cerca de 160 calorias por cem gramas, sendo superior nos ovos de pata (189 calorias). Além de que seu preço é acessível e de boa relação custo/benefício.

O ovo é rico em proteínas (12%), que possuem todos os aminoácidos essenciais em concentração e proporções equilibradas. De efeito, a proteína do ovo, a ovoalbúmina, é considerada como a proteína padrão ou de referência para comparar o valor nutritivo das proteínas de outros alimentos.

Possuem vitaminas do complexo BA e D (estas localizadas exclusivamente na gema, por serem vitaminas lipossolúveis). O consumo de um ovo por dia, aproxima-se de 40% das nescesidades diárias de biotina (B7), vitamina nescessária em numerosas funções orgânicas; também cobre 20% de riboflavina (ou vitamina B2). Os ovos não possuem quantidade significativa de vitamina C.

O ovo também contém alguns sais minerais, porém convém demonstrar que a quantidade de ferro do ovo é relativamente baixa.

Outros componentes presentes no ovo é a colina, uma amina essencial que favorece o desenvolvimento do sistema nervoso central no feto e atribuem-se efeitos positivos sobre a memória; luteína e zeaxantina, ambas do grupo das xantofilas, relacionadas por algumas fontes como favoráveis na redução das cataratas.

Colesterol

O aspecto mais controverso dos ovos é sua riqueza em colesterol LDL (colesterol mal): 410mg/100 g, que se concentra praticamente na gema, no que chega a cerca de 1.260 mg/100g. Esses números correspondem a cerca de 250mg de colesterol em um ovo de tamanho médio. Contudo, comprovou-se que o acúmulo de colesterol em nossas artérias são provenientes de outras fontes, como comidas industrializadas, fast-foods, associados com o metabolismo e ausências de atividade física, obesidade, sedentarismo e outros fatores. Com isso conclui-se que seus efeitos no nivel de colesterol não são relevantes e não tem nenhuma relação direta com o índice de mortalidade por doenças cardiovasculares.

Por outro lado, existe no mercado estudos para desenvolvimento de ovos de galinhas com baixo nivel de colesterol, onde são enriquecidos com omega-3, um ácido graxo considerado cárdio-protetor.

Classificação

Conforme algumas legislações, incluindo a europeia,  os ovos são classificados em duas categorias:

  • Categoria A: Ovos frescos, destinados ao consumo humano, podendo ser usado na indústria.
  • Categoria B: ovos destinados exclusivamente ao uso industrial, sendo da indústria alimentícia ou não.

Riscos para a saúde

Um ovo que foi posto por uma galinha saudável, recolhido no tempo certo, manipulado com cuidado e respeitando as regras e condições de higiene é considerado como seguro. Porém a realidade é que nem sempre temos essas circunstâncias. O problema sanitário mais relevante que pode provocar o consumo de ovos é a salmonelose. 38,5% das intoxicações alimentares documentados na Europa entre 1998 e 2001 está relacionado com o consumo de ovos e seus subprodutos.

De acordo com a nutricionista, em pessoas saudáveis, adultos ou crianças, o consumo diário deve ser de um ovo inteiro. De preferência, cozido na água. Mas se a pessoa for saudável, pode consumir um limite maior de clara, que consiste em água, 10% de proteína, minerais, glucose e lipídeos. A gema é composta por 50% de água, 34% de lipídeos, 16% de proteína, glucose e sais minerais. Portanto, a gema tem mais gordura do que a clara.

Já o ovo de codorna tem a mesma quantidade de calorias que um ovo de galinha. Mas é preciso ficar atento em relação ao consumo, pois ele contém um índice muito mais alto de colesterol. Em contrapartida, tem mais proteínas que o ovo de galinha.

As melhores formas de consumir ovo são “in natura”, líquido ou em pó. Sempre que possível, é preferível consumir ovo orgânico e comprar embalagens menores, com porção de meia dúzia.

O ovo Parte 1

•16/07/2015 • Deixe um comentário

Featured image

Do ponto de vista alimentício, o ovo é um alimento de origem animal, podendo ser de diversas espécies animais, incluindo avesrépteis,anfíbios e peixes. São consumidos pelos humanos ao longo de milhares de anos. Ovos de aves e répteis consistem basicamente de casca do ovo, da clara do ovo e da gema. As procuras mais comuns dos ovos, são pelos de galinha, seguidos de codorna, pata, além de ovas de peixes como o caviar e os presentes na culinária oriental.

Produção

São produzidos de forma industrial, em setores granjeiros específicos, a avicultura, considerado de grande importância econômica e/ou através de métodos tradicionais, onde são produzidos em sítios e fazendas, usando métodos menos industrializados, este com menor importância econômica.

A criação de galinhas pelo homem surgiu a milhares de anos. Na península ibérica surgiu a cerca de 8.000 anos como uma atividade doméstica ligada ao meio rural. A seleção das raças de galinhas poedeiras (que só produzem ovos) são conseguidas através da seleção artificial, onde consegue-se gerar galinhas para corte, conhecidos como frangos, e galinhas exclusivas para produzir ovos. Estas atividades remontam os primeiros anos do século XX, contudo a avicultura não era tratada como atividade granjeira até os anos 60, onde nasceu a atividade da avicultura intensiva, apoiada pelo desenvolvimento de rações compostas e em inovações tecnológicas na produção.

Atualmente, o maior produtor de ovos da Europa é o Reino Unido, seguido por França e Espanha. A nível mundial, a China é com grande diferença o maior produtor de ovos no mundo, com cerca de 43% da produção mundial.

Estrutura

Casca

A casca é a cobertura externa do ovo, formada fundamentalmente por carbonato de cálcio. A superfície é porosa e por sua vez coberta por uma fina película mucosa. Representa entre 10 e 11 por cento do peso total do ovo.

Para o consumo, a casca deve ser lisa, sem granulações nem enrugamentos e fissuras, pois qualquer um desses defeitos indicam alguma anomalia no processo de depósito do carbonato de cálcio, e como consequência,, tornam-se mais frágeis. A debilidade da casca ou as malformações podem ter origem em carências nutritivas, doenças inflamatórias no oviduto ou idade avançada da galinha.

Clara

A clara é composta basicamente de albúmen. Trata-se de uma substância aquosa e viscosa, praticamente transparente e sem odor próprio, segregada por certas glândulas as aves possuem no oviducto. A clara é rica em proteínas e é de alta digestão. Representa de 55 a 60 por cento do total do ovo.

Na clara podemos distinguir as duas partes, a parte interna, mais fluídica, e outra externa, mais rígida. Também existe uma pequena membrana na parte interior onde é unido a clara e a gema.

Gema

Situada centralmente no interior do ovo e de forma esférica, é mais densa que a clara, e possui coloração amarela alaranjada, de intensidade variável. Esta cor deve-se aos pigmentos naturais como xantofila e caroteno dissolvidos na gordura. A gema representa de 20 a 31 por cento do peso total. E nela concentra-se a parte mais gordurosa e calórica do ovo.

Esporadicamente, sendo mais frequente em galinhas novas e de recente postura, podem surgir ovos com duas gemas, como consequência de uma falha de sincronização na produção do óvulo no ovário. Muito mais raros, mas também possível é o aparecimento de ovos sem gemas, formados normalmente devido a fragmentação do tecido desprendido do ovário, no oviduto.

A Diabete e os seus adoçantes. Qual o seu?

•14/07/2015 • Comentários desativados em A Diabete e os seus adoçantes. Qual o seu?

Featured image

MUITO IMPORTANTE: Gestantes, lactentes, crianças e pessoas com restrições alimentares precisam de orientação médica para a escolha do adoçante ideal. Pessoas com hipertensão arterial, que precisam controlar o consumo de sódio, devem utilizar com cuidado adoçantes como o ciclamato ou a sacarina, que possuem altos níveis deste mineral em sua composição.

Outra observação que merece destaque é com relação a produtos que existem no mercado que misturam o açúcar ao adoçante. Antes de comprar, realize a leitura do rótulo para saber realmente o que irá consumir.

Adoçantes naturais

Frutose – Extraído de frutas e do mel. É mais doce que o açúcar, contém grande quantidade de calorias e eleva os níveis de açúcar no sangue, não sendo indicado para diabéticos e para dietas;

Esteviosídeo – Extraído de uma planta nativa da América do Sul (stevia rebaudiana) tem um sabor próximo ao açúcar, não possui calorias e não altera os níveis de açúcar no sangue;

Sorbitol – É encontrado em algumas frutas, como a maçã e a ameixa, e em algas marinhas. Possui valor calórico e não é recomendado para diabéticos. É mais utilizado em chicletes, balas e biscoitos. Tem ação laxativa;

Adoçantes artificiais

Aspartame – Tem grande poder adoçante (200 vezes superior ao açúcar). Não contém calorias e seu uso é permitido para diabéticos.

Sacarina – Criada em 1879, ela é sintetizada a partir do ácido toluenossulfônico, derivado do petróleo. Deixa um sabor residual amargoso e metálico, mas não contém calorias e pode ser usada por diabéticos. Por conter sódio, é contraindicada para hipertensos.

Ciclamato de sódio – Provém do ácido ciclo hexano sulfâmico, derivado do petróleo. Assim como a sacarina, não possui calorias e pode ser usado por diabéticos, mas também é contraindicado para hipertensos. É encontrado em refrigerantes zero e adoçantes. Pesquisas científicas apontam que o consumo de ciclamato pode causar câncer e tumores, e por conta disso, disso foi proibido em países como EUA, Japão e França;

Sucralose – É extraído da cana de açúcar e modificado para não ser absorvido pelo organismo humano. Tem um sabor similar ao do açúcar, não contém calorias, não causa cáries, não eleva a glicemia, podendo ser consumido por diabéticos, gestantes e hipertensos. É vendido como produto adoçante e está presente em alimentos de baixa caloria.

Informações complementares:

  • Qual o melhor adoçante para quem tem a diabete?

Quem tem diabete pode utilizar qualquer adoçante disponível no mercado, porém devem ser usados quando necessários e com moderação.

  • Qual a ingestão diária aceitável?

A OMS (Organização Mundial de Saúde) estabelece alguns valores máximos para consumo diário dos adoçantes não calóricos.

Abaixo uma tabela de referencia.

No Brasil, recomenda-se a ingestão diária máxima de 40mg/kg (48 gotas ou 3 envelopes) de aspartame; 11mg/kg (12 gotas ou 1 envelope) de ciclamato; 5mg/kg (06 gotas ou ½ envelope) de sacarina; 5,5mg/kg (07 gotas ou ½ envelope) de stévia; 15mg/kg (18 gotas ou ½ envelope) de sucralose.

E na gestação qual adoçante eu devo utilizar?

Segue interessante tabela que esclarece algumas informações sobre o uso de adoçantes na gestação, porém mais uma vez reforço o uso com orientação de seu médico.

  • ASPARTAME E SUCRALOSE = Na atualidade, sua ingestão durante a gestação é considerada segura, desde que não em excesso, que pode provocar enxaqueca e ter efeito laxante.
  • ACESSULFAME-K = Segundo evidências recentes, não é considerado tóxico, carcinogênico ou mutagênico em animais, porém não existem estudos controlados em animais.
  • CICLAMATO = Suspeito de causar efeitos citogenéticos sobre linfócitos humanos, mas ainda não existem relatos de malformações e problemas comportamentais nos fetos expostos.
  • STÉVIA = Estudos em animais e humanos indicam propriedades anti-hipertensivas, redução da glicemia pós-plandial de pacientes com diabetes tipo 2, podendo mudar o resultado de testes de tolerância à glicose por reduzir significativamente os níveis de glicemia.
  • SACARINA = A despeito de cruzar a barreira placentária limitadamente, estudos em ratos não demonstraram efeitos teratogênicos. No entanto, pela falta de estudos mais completos, deve ser evitada durante a gestação de forma preventiva.

A melhor conduta no período gestacional é evitar o uso de adoçantes e de produtos industrializados com edulcorantes, porque os estudos são recentes e inconclusivos, sendo a prevenção a melhor opção.

Alimentação Saudável para Idosos Parte Final

•09/07/2015 • Comentários desativados em Alimentação Saudável para Idosos Parte Final

Featured image

Razões possíveis para má nutrição em lares:

  • Doenças
  • Solidão ou depressão
  • Menu monótono e sem criatividade
  • Alimentos pouco familiares
  • Texturas dos alimentos inapropriadas
  • Falta de bebidas revigorantes
  • Doseamento das refeições é insuficiente
  • Falta de ajuda para alimentar o idoso
  • Não existe acompanhamento médico de perdas de peso
  • Não existe acompanhamento médico de perdas de apetite
  • Qualidade das refeições – geralmente existe uma falta de alimentos frescos, baseando as refeições em alimentos congelados e de conveniência

Obesidade

A obesidade, em qualquer idade, incluindo em idades avançadas, é indesejável, pois aumenta consideravelmente o risco de diabetes, dificuldades respirações e de mobilidade e problemas cardiovasculares.

Para aqueles que ganham muito peso, uma dieta rigorosa não é aconselhada, já que reduz a ingestão de nutrientes essenciais. Em vez disso, o saldo da ingestão alimentar deve ser alterado, reduzindo açúcar e alimentos gordurosos, enquanto aumenta pão, cereais, frutas e legumes.

Dificuldades em engolir

Se suspeitar que um parente idoso está com dificuldades de deglutição, contate o seu médico. Problemas de deglutição podem surgir de alterações neurológicas, doença de Parkinson, ou na sequência de lesões na cabeça lesão ou de um acidente vascular cerebral.

Um especialista da fala pode diagnosticar a gravidade do problema, e aconselhar sobre o tipo de texturas que o idoso melhor suporta, quer sejam purés, líquidos ou sólidos. No processo, deve envolver um nutricionista de modo a assegurar que a nova alimentação do idoso mantém todos os nutrientes que precisa.

Alimentação Saudável para Idosos Parte 15

•07/07/2015 • Comentários desativados em Alimentação Saudável para Idosos Parte 15

Featured image

Alimentos a escolher

Para atender às suas necessidades nutricionais, tenha como objetivo refeições regulares e uma alimentação variada, beber bastante água (pelo menos 6 copos de água por dia) e, tão importante como o resto, aprecie a sua alimentação.

Ideias para lanches rápidos e revigorantes:

  • Sanduíches de carne, queijo, manteiga de amendoim ou atum. Use vários tipos de pão.
  • Tostas mistas ou de frango, torradas, sardinhas, feijão, queijo, raviolis, esparguete ou ovos (bem cozidos)
  • Biscoitos digestivos cobertos de queijo, frutos e iogurtes, sopas, bolo de iogurte, cereais

Na despensa…

Se é difícil sair de casa para ir às lojas, então talvez seja bom ter alguns alimentos básicos armazenados:

  • Leite: Leite em pó ou pudins de leite
  • Frutas e legumes: purés de batata em pó, sumos de frutas, fruta enlatada, leguminosos secos
  • Bebidas: cacau, leite e sucos naturais
  • Outros: cereais, sopas, mel, molhos, compotas
  • Ideias para Congelar: refeições congeladas, legumes, pão, gelados, peixe, batatas para fritar

Problemas comuns

Idosos com baixos rendimentos, que vivem em lares ou que não possuem a dentição completa, são mais propensos a terem dificuldades nutricionais. A chave para os idosos, seja viverem em lares ou na sua própria casa, é manter a energia adequada e ingestão de nutrientes.
Dicas para uma alimentação rica em calorias:

  • Açúcares e gorduras fornecem energia e ajudam a comida a saber bem. Use com cuidado.
  • Coma um ou dois doces à base de leite por dia, como iogurte, pudins, gelados, bolos variados, mas não estrague o apetite para outros alimentos
  • Bebidas vitamínicas, que estão disponíveis nas farmácias ou alguns supermercados, podem aumentar a ingestão calórica, mas não substituir as refeições.

Se tiver um idoso no hospital, ou a viver num lar, e estiver preocupado(a) com a perda de peso do seu familiar ou amigo, fale com a enfermeira responsável.

Pergunte pelas refeições dadas aos idosos, e solicite que perdas de peso futuras sejam acompanhadas. Se continuar preocupado(a), fale diretamente com um médico ou nutricionista.

 
Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.